Blog

Cambuci – Diamante Verde

Por Cachaciê   •  8 julho de 2019   •  Compartilhar

 

Cachaça com Cambuci já é realidade e agrada muito os paladares mais apurados.

 

Leia artigo escrito por Thiago Ribeiro Nicoliello, do Caixeiro de Minas.

 

O Cambuci é uma verdadeira joia, genuinamente brasileira. Fruto nativo da Mata Atlântica de sabor azedinho e delicado, despertou interesse para o desenvolvimento de diversas pesquisas sobre as propriedades de seus frutos, seus valores nutricionais e seus benefícios.

 

As pesquisas revelaram que este fruto em formato de diamante é riquíssimo em antioxidantes, flavonoides e compostos fenólicos. Também é rico em Vitamina C, fibra alimentar e sais minerais, e tem poucas calorias (cerca de 40 calorias, por 100 gramas). Por causa da nobreza única de seus compostos, o Cambuci tem ação anti-inflamatória, hiperlipidêmica e na prevenção de doenças vasculares.

 

 

Devido a esses benefícios para a saúde, por ser produzido de forma orgânica e sustentável, e por ter um sabor irresistível que conquista seus apreciadores, o Cambuci se tornou símbolo da riqueza da Mata Atlântica e da importância de sua preservação.

 

Apesar do Brasil ser origem de muitas frutas deliciosas, poucas são conhecidas. Das 10 frutas mais consumidas do Brasil (Banana, Laranja, Mamão, Maçã, Melancia, Limão, Tangerina, Manga, Abacaxi e Pêra), apenas o Abacaxi tem origem em nossas terras. O Cambuci, por exemplo, pertence à família botânica das Myrtaceas, que possui mais de 1.000 espécies nativas do Brasil. As Myrtaceas são conhecidas por seus frutos deliciosos, como a cerejeira do mato, gabiroba, guamirim, goiaba, pitanga, jabuticaba, uvaia, cambucá, araçá, laranjinha do mato, pera do campo, cereja do cerrado, cambuí, cagaita… entre outras 984 não listadas! Se fosse para contar nos dedos quantas plantas dessa família você conhece ou já experimentou dificilmente encheria as duas mãos, faça o teste!

 

 

Fruto em Extinção

 

Há 20 anos, o Cambuci estava em risco iminente de extinção em razão do desmatamento e por ter uma madeira de excelente qualidade, muito procurada para a fabricação de ferramentas e utensílios básicos. Nesta época, o Instituto AUÁ iniciou um trabalho junto a pequenos agricultores familiares, buscando resgatar algumas dessas espécies que vem desaparecendo de nossas florestas, e com uma proposta de valorizar o consumo dessas em nossas mesas (gastronomia, coquetelaria, consumo in natura, entre outras formas de consumo). Quando conhecemos nossas riquezas, valorizamos a sua preservação!

 

Graças ao projeto, após 20 anos, o Cambuci não corre mais perigo de extinção, e possui cerca de 70 pequenos produtores de agricultura familiar cultivando a espécie e criando o novo mercado para as frutas nativas, o que é comprovado pela 11ª edição do Festival Rota do Cambuci, um grande encontro do turismo e da gastronomia nos municípios onde a fruta é cultivada. Neste Festival, é possível experimentar toda a versatilidade do Cambuci, ideal para uso em deliciosas sobremesas, sucos, geleias, sorvetes, drinks, biscoitos, bolos, infusão na tradicional cachaça e até como molho em pratos salgados. Os óleos essenciais extraídos da planta também apresentam um grande potencial para a fabricação de cosméticos e fármacos.

 

 

Sobre o Nome

 

O nome Cambuci é de origem indígena e deve-se à forma de seus frutos, parecidos com os potes de cerâmicas que recebiam o mesmo nome. Seu formato também lembra uma joia, um diamante verde. Seus benefícios à saúde, sua forma de produção orgânica e sustentável, e seu sabor apaixonante fazem do Cambuci a mais encantadora joia brasileira.

 

 

Sobre o Autor

 

Thiago Ribeiro é biólogo e proprietário da Caixeiro de Minas é a empresa parceira do Instituto Auá na distribuição e venda dos frutos. Quer conhecer mais sobre o fruto? Entre em contato @caixeirodeminas, caixeirodeminas@gmail.com, 31-99440-4838.