Blog

Com a Palavra o Homenageado: Antenor Albuquerque!

Por Cachaciê   •  23 abril de 2019   •  Compartilhar

No dia 12 deste mês de abril/19, na festa de gala de dois anos da Confala (Confraria Mineira da Cachaça), três pessoas foram homenageadas com a placa de “Confrade Benemérito”.

 

Nem precisávamos perguntar aos membros da Confala o porquê de Antenor está entre os nomes de destaques este ano. Inquestionavelmente ele é uma liderança na cadeia da cachaça, conhecido de norte a sul, um produtor de cachaça zeloso e exigente.

 

“Antenor está sempre apoiando e engrandecendo os encontros da Confala. É um entusiasta da cachaça, muito respeitado, muito comprometido. Raras as vezes que Antenor não disponibiliza tempo e recursos próprios para estar em Belo Horizonte, nos eventos e atividades da nossa confraria de cachaça”. Elogia Carlos de Paula, Presidente da Confala.

 

Diante de merecidos elogios conversamos com o recifense Antenor para saber o que ele achou desta homenagem. Confira:

 

(Cachaciê): Há quantos anos você se dedica ao setor da cachaça?

 

(Antenor Albuquerque): Há 5 anos.

 

(Cachaciê): Por que você acha que recebeu esta homenagem da Confala?

 

(Antenor Albuquerque): A minha cachaça é produzida em Santa Rita de Caldas, no Sul de Minas, na destilaria Prosa Mineira. Fiz a maioria dos meus cursos de cachaça em Minas. Participo dos eventos mais importantes de cachaça, onde quer que eles venham a ocorrer. Participei de várias reuniões da CONFALA e fiz grandes amigos. A generosidade e a hospitalidade desta Confraria para comigo é imensa. Provavelmente todos estes motivos somados ao meu interesse e meu amor pela cachaça me fizeram ter a confiança dos integrantes da CONFALA, que me presentearam com esta bela homenagem.

 

(Cachaciê): Para você qual a sua maior contribuição para o setor da cachaça?

 

(Antenor Albuquerque): Afirmo com a maior segurança que mais recebo do que contribuo com o segmento. Contudo, há algo que fiz e que antes não era executado. A Cachaça do Anjo é um blend de madeiras diversas (carvalhos americano e europeu, bálsamo e amburana). Antes de eu colocá-la no mercado, não se encontrava uma cachaça com mais de duas madeiras. Hoje já temos vários produtores lançando mão deste recurso nos seus blends.

 

 (Cachaciê): Como você avalia a evolução do setor da cachaça?

 

(Antenor Albuquerque): Devagar devido a vários entraves. Falta de apoio por parte das autoridades, altos impostos e uma crise política, econômica e financeira sem precedentes. Aos poucos, com muita luta, com união e com capacitação, talvez, consigamos colocar a nossa Cachaça em condições de brigar por uma posição satisfatória no mercado de bebidas.

 

(Cachaciê): O que você acha que falta ou precisa ser feito para a cachaça conquistar de vez o consumidor?

 

(Antenor Albuquerque): Muito trabalho, muita capacitação, união do setor, apoio político e melhoria constante na qualidade da bebida.

 

(Cachaciê): Qual a sua maior inspiração neste universo da Cachaça?

 

(Antenor Albuquerque): Saber que, entre todas as bebidas alcóolicas, desde que consumidas com moderação, a cachaça é a que menos causa danos ao nosso organismo. Este fator me impulsiona a buscar cada vez mais uma melhor qualidade na produção da minha cachaça. A marca Cachaça do Anjo.

 

(Cachaciê): Na sua opinião qual a importância das confrarias de cachaça?

 

(Antenor Albuquerque): As Confrarias reúnem muitas pessoas, constroem amizades, proporcionam cultura e diversão, promovem atividades filantrópicas, difundem a bebida e desmistificam mentiras e as coisas ruins que durante muitos anos foram atribuídas à cachaça. Também contribuem com a economia, já que os encontros são sempre realizados em clubes, bares e/ou restaurantes.

 

(Cachaciê): O que te fez decidir atuar no mercado da Cachaça?

 

(Antenor Albuquerque): Simplesmente uni o útil ao agradável. Nada melhor do que proporcionar trabalho e dedicar a algo que me traz alegria e prazer: a bebida que tanto adoro.

 

(Cachaciê): Cachaça – nossa bebida nacional – em uma palavra?

 

(Antenor Albuquerque): Responsabilidade.