Blog

Conheça Mari! (Especial Mães Apreciadoras de Cachaça)

Por Cachaciê   •  20 maio de 2019   •  Compartilhar

 

 

Mari é mãe de Malu, de apenas 20 dias e fará uma licença maternidade especial. Planeja realizar de casa as funções que lhe cabem, como dona de uma loja de cachaça.


Ela trabalha juntamente com seu marido e seu pai na Cachaçaria SP (Av. Ipiranga, 200 – Loja 72 – Ed. Copan), um “Templo da Cachaça” em pleno centro da maior cidade do Brasil. São mais de 450 rótulos, de todas as regiões do Brasil.


O comércio de cachaça era um sonho antigo do pai. Seu maior professor de cachaça, mas Mari também aprende muito com o marido (que mesmo antes de abrir o negócio já era um apreciador de cachaça), com os produtores, e nos eventos que participa, como na Expocachaça/2018.


Seus conhecimentos de 5 anos em outro segmento ajudam muito e ela os utiliza nas estratégias de marca: marketing, redes sociais da Cachaçaria SP, relacionamento cliente m clientes…


Ela conta que no começo ficava mais no caixa, observando os dois vendendo, e em dois meses já tinha “litragem” pra arriscar. Hoje ela indica tranquilamente, e tenho clientes que voltam pra agradecer a indicação… Apesar do pouco tempo no universo da cachaça, Mari já tem preferências. Gosta das brancas em drinques (gosta da marca Tie). E das amadeiradas para beber pura, e ela declara sua apaixonada pela Jaqueira, da Princesa Isabel.


Mari diz que seu maior desafio no começo foi aprender sobre as madeiras, entender os sabores e diferenças. Já hoje a maior barreira que ela encontra e o preconceito de alguns homens, em aceitar que uma mulher também entenda de cachaça, e sejam capazes de atendê-los bem, prestando uma assessoria de qualidade, na escola dos rótulos.


“Há o preconceito de alguns homens. Quando entram na loja e eu que vou atender, dizem que estão apenas olhando, saem da loja e voltam depois. Já ouvi de um cliente uma vez: mas seu pai não tá aí? Você tem certeza que essa é boa mesmo? Você já tomou?” Disse está mãe apreciadora de cachaça…


Mari disse que percebe na loja o interesse das mulheres pela Cachaça. É de fato grande, bem maior do que ela esperava. Há dias que o número de clientes mulheres superam o de homens.