Blog

Especial Mães Apreciadoras de Cachaça

Por Cachaciê   •  17 maio de 2019   •  Compartilhar

 

 

Kátia Alves Espírito Santo é uma mulher positiva.  Casada, mãe de três filhos, apreciadora de cachaça, proprietária da premiadíssima Cachaça Da Quinta e vice presidente da Apacerj (Associação de Produtores de Cachaças do Estado do Rio).

 

Katia nos conta como iniciou a sua carreira, reformou a fábrica e levou adiante a tradição familiar de produção de cachaça que começou com seu avô.

 

1. Como começou sua carreira?

 

Exerci uma atividade profissional anterior, mas a carreira de empresária começou no início desse século, quando meu pai me incentivou a prosseguir com a tradição familiar de produção de cachaça, que se iniciou com meu avô. Sistematizei os ensinamentos do meu pai. Em seguida, passei a me qualificar em cursos e a contratar consultores especializados. Redesenhei e reformei a fábrica, adequando-a aos mais rigorosos padrões de produção e controle.

 

2.  Como é formatado o modelo de negócios da Cachaça Da Quinta?

 

Trata-se de uma pequena empresa, com a missão de produzir excelência para os sentidos, com produtos de alto padrão de qualidade sensorial e físico-química, pautada na tradição, na técnica e na arte. Todas as nossas versões da Cachaça da Quinta são certificadas como produto orgânico. Responsabilidade social e ambiental são valores colocados em prática. E a visão estratégica da empresa é manter seus produtos no topo da preferência de especialistas e de consumidores exigentes, no Brasil e no exterior, para os que buscam produtos de excelência e práticas responsáveis.

Este ano, a safra começará logo, trazendo sempre expectativas muito boas, pois é um período muito aguardado e toda a equipe se sente motivada. São dias lindos em que a cana madura possibilita o início de um período mágico de trabalho, onde as leveduras atuam em condições ideais de clima sobre a garapa muito fresca e saudável. Paralelamente a cada corte da cana, um novo crescimento da planta se inicia e com ele um novo ciclo de cuidados.

 

Fonte: Estadão – Coluna POR MULHERES POSITIVAS – 25/05/19