Blog

(Especial Mulher) Quem disse que cachaça não é assunto delas?

Por Cachaciê   •  12 março de 2019   •  Compartilhar


 

O “Radar Cachaciê” identificou este conteúdo valiosos, no Blog Prosa e Cozinha – uma entrevista com Ana Carolina Corrêa, pesquisadora da USP e diretora técnica da Confraria Paulista da Cachaça. Gostamos tanto que não resistimos, e trouxemos para compartilhar com você, neste “Especial Mulher”:

 

Ao longo dos anos, sabemos que as mulheres alcançaram várias conquistas históricas e, hoje, elas fazem parte de um universo que, até pouco tempo, era considerado exclusivamente masculino. Dá produção ao consumo de cachaça, é cada vez mais crescente o número de mulheres interessadas pela bebida, colocando a prova que esse é, também, um assunto delas.

 

Para celebrar o Dia da Mulher, o Prosa e Cozinha entrevistou a especialista em cachaça, Ana Carolina Corrêa, pesquisadora da USP e diretora técnica da Confraria Paulista da Cachaça.

 

Ana Carolina falou sobre o interesse do público feminino pelo consumo da cachaça, a atuação e participação da mulher no mercado de destilados, preconceito e, ainda, deu dicas de apreciação.

 

Confira a entrevista:

 

Prosa e Cozinha De que modo a presença feminina tem aumentado e se destacado no universo da cachaça?

 

Ana Carolina Corrêa – Hoje, o número de mulheres que atuam no setor de bebidas é significativo e no setor da cachaça cada dia mais vemos mulheres apreciando e se dedicando de alguma forma a esse destilado. Elas atuam na produção, mercado, área acadêmica, pesquisa e estudos sobre cachaça. Também tem as que apenas apreciam essa bebida e as que, além de apreciar, sempre estão presentes em eventos do setor.

 

Prosa e Cozinha – Temos visto que as mulheres não só gostam de cachaça, como também entendem do assunto. Quando e como surgiu seu interesse pela pesquisa sobre a cachaça?

 

Ana Carolina Corrêa – Meu interesse pela cachaça surgiu desde a minha graduação em Ciências Biológicas, há 9 anos. Eu era estagiária do Laboratório de Tecnologia e Qualidade de Bebidas da ESALQ/USP e lá o principal foco de estudos e pesquisas é em cachaça. Assim, eu sempre estava em contato com essa bebida e aos poucos fui conhecendo, estudando e gostando cada dia mais desse destilado. 

 

Prosa e Cozinha – Tem aumentado o consumo de cachaça entre o público feminino? Qual o perfil e preferências dessas mulheres?

 

Ana Carolina Corrêa – Sim. Estamos vendo cada dia mais mulheres interessadas em conhecer e passando a apreciar cachaça.  Não tem um perfil. Nesse universo da cachaça vemos mulheres de todas as áreas: as que conhecem cachaça há muito tempo, as que estudam ou trabalham no setor e as que apreciam diferentes bebidas alcoólicas e um dia provam esse destilado e acabam gostando.   

 

Prosa e Cozinha – Há uma diferença no paladar feminino comparado ao masculino para a degustação da cachaça? 

 

Ana Carolina Corrêa – Não tem diferença de paladar feminino e masculino. Essa ideia de que mulher gosta de bebida mais leve e doce é ultrapassada. As mulheres gostam de apreciar boas cachaças, e as preferências variam. Não tem um perfil sensorial de cachaça específico para o público feminino.

 

Prosa e Cozinha – O que você recomenda para as mulheres que querem adentrar nesse universo?

Ana Carolina Corrêa – Para as que querem adentrar nesse universo, recomendo que provem diferentes cachaças até encontrar os tipos e as características sensoriais que mais a agradem. 

 

Prosa e Cozinha – Temos visto, cada vez mais, o surgimento de grupos, clubes e confrarias exclusivamente femininas. Como você considera a importância desses grupos e da união de mulheres para desmistificar que cachaça é um assunto masculino?

 

Ana Carolina Corrêa – Cachaça nunca foi um assunto apenas masculino. O que vemos hoje é o aumento do número de mulheres que apreciam a bebida, participam de grupos, não só femininos, e que passam a propalar essa ideia. As confrarias de cachaças sempre têm um número significativo de mulheres. Também tem a Confraria da Cachaça onde há apenas mulheres, ou eventos de cachaças promovidos apenas para as mulheres, que visam divulgar e atrair cada vez mais o público feminino para o universo dessa bebida.

 

Prosa e Cozinha – Tem aumentado a participação das mulheres no corpo de jurados de concursos e festivais no Brasil. De que forma isso contribui para difundir a qualidade do reino da cachaça?

 

Ana Carolina Corrêa – É importante a participação das mulheres em todos os concursos e festivais de cachaça, tanto para desmistificar essa ideia de que cachaça não é bebida para mulher, como também para compartilhar todo nosso conhecimento sobre o assunto e atrair cada vez mais público feminino para esse setor. 

 

Prosa e Cozinha – Como tem sido a atuação e participação da mulher no mercado de cachaça?

 

Ana Carolina Corrêa – As mulheres atuam em todas as áreas do mercado de cachaça. Temos marcas no mercado que são produzidas por mulheres. As mulheres estão presentes desde a produção até o marketing da marca.

 

Prosa e Cozinha – Você já sofreu algum preconceito ou desmerecimento de seu trabalho por ser mulher?

 

Ana Carolina Corrêa – Sim. Muitos homens ainda duvidam do potencial feminino ou tem dificuldade em aceitar que mulheres sempre estiveram e estarão cada vez mais presentes nesse universo, não só da cachaça, mas das bebidas em geral. 

 

Prosa e Cozinha – Para fechar, gostaria que comentasse um pouco sobre suas preferências de cachaça e como gosta de apreciar?  

 

Ana Carolina Corrêa – Eu gosto de todos os tipos de cachaças, não tenho uma preferida. Gosto muito das cachaças brancas, que são aquelas que não passaram por envelhecimento e por isso não sofreram influência de nenhuma madeira. É na cachaça branca que a gente consegue observar as características provenientes da matéria-prima e da fermentação. Uma cachaça branca com boa qualidade química e sensorial, se envelhecida seguindo os procedimentos corretos, provavelmente também terá uma boa qualidade final. Gosto muito de apreciar as cachaças puras, mas também adoro coquetéis que levam cachaça na composição.

 

Sobre a pesquisadora Ana Carolina Corrêa:

 

Ana Carolina é doutoranda em Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Tecnologia e Qualidade de Bebidas pela USP; Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela USP e, Graduada em Ciências Biológicas pela USP.

 

Além disso, é professora no curso de gastronomia da Anhanguera Leme, na disciplina de Enologia e Enogastronomia. Também dá aula no curso de gastronomia do Senac Águas de São Pedro, na disciplina Estudo de Bebidas. E, é diretora técnica da Confraria Paulista da Cachaça.

 

Fonte: Blog Prosa e Cozinha

Foto: Divulgação ACOM Esalq 01