Blog

A Origem da Destilação – Especial Santa Efigênia 70 Anos.

Por Cachaciê   •  1 novembro de 2018   •  Compartilhar

Por Ana Laura Guimarães

 

Se você olhar no bom e velho Dicionário Aurélio o significado da palavra  “Alambique” encontrará o seguinte: “Aparelho (caldeira) de destilação, detilador”.

 

O que queremos mostrar a vocês neste Especial é toda tecnologia, beleza e sofisticação embarcadas nos modernos equipamentos de destilação, produzidos pela indústria mineira Santa Efigênia, que completa este ano 70 anos de mercado.

 

Neste Capítulo 1, falamos sobre como tudo começou, bem antes de existir Santa Efigênia, antes da cachaça ser a nossa bebida favorita, antes do Brasil ser descoberto, antes mesmo das plantações de cana se espalharem mundo afora.

 

Vamos lá?

 

Onde Tudo Começou

 

Para sabermos um pouco mais sobre a história do alambique, precisamos voltar no tempo, para conhecermos onde tudo começou. Estamos falando de tempos muito remotos, anos e anos A.C.*, e nesse contexto histórico se torna obrigatório falarmos sabe de quem? Dos alquimistas.

 

Os Alquimistas e a Pedra Filosofal

 

 

Os alquimistas perseguiam uma ideia que os fascinava – descobrir a fórmula para criar a Pedra Filosofal. Para isso, eles estudaram muito, pois de posse desta poderosa pedra, fabricariam ouro e outros metais – os metais sempre foram muito valiosas. O trabalho relacionado à Pedra Filosofal era chamado por eles de “A Grande Obra”.

 

Os registros dos primeiros alquimistas são ligados aos povos árabes e nesta caminhada em busca da Pedra Filosofal (jamais criada), os árabes foram responsáveis por muitas descobertas: a técnica do banho-maria, para aquecer lentamente soluções, a criação da porcelana e do alambique.

 

Tudo indica que a grande conquistas dos árabes-alquimistas foi a criação do alambique – “al-anbiq”.

 

De posse do alambique, inicialmente peças simples, básicas, rudimentares, bem diferente dos modernos e tecnológicos equipamentos vendidos hoje pela Santa Efigênia (www.alambiquessantaefigenia.com.br); os alquimistas começaram a fazer inúmeros experimentos de extração, através da destilação. Inclusive bebidas, e os elixires para tudo quanto é coisa e doença.

 

Com isso eles mostraram que sabiam manejar o equipamento “mágico”, que tinham criado. Se tornaram referência, respeitados, admirados, e algumas vezes até temidos. Eram tidos como homens capazes de transformar, fazer mágicas. E com isso uma figura mítica de bruxo foi sendo construída. Um homem/mulher, de idade já mais avançada, mas detentor de muita sabedoria. E foi neste sentido que elementos foram sendo agregados e um estereótipo foi sendo construído: chapéu ponte agudo, túnica longa, barba, sempre em um laboratório, em meio a centenas de objetos, livros, frascos, tubos de ensaio, e até alguns pequenos animais e por aí vai.

 

 

O Alambique Chega à Europa

 

É grande a importância do Século VIII, pois por volta do ano 711 D.C.*, ao atravessarem pela primeira vez, da África para a Ibéria (de maneira objetiva a Ibéria compreendia o que hoje é a Espanha e Portugal), os árabes levaram consigo o alambique.

 

O local da travessia dos árabes passou a receber o nome do árabe responsável pela façanha, que era um descendente de Maomé. Seu nome era Tariq – por isso o nome “Estreito de Tariq” – “Jebel Al Tariq” (“Montanha de Tárique”) – Estreito de Gibraltar (na tradução).

 

Na época o território europeu (Ibéria) era ainda mais gelado do que hoje e os conquistadores precisavam de alimentos que os aquecesse, para não sofrerem das doenças típicas de clima frio. 

 

De posse do alambique os árabes começaram a fazer bebidas utilizando frutas, ervas, raízes, tudo que era possível ser fermentado, e depois destilado.

 

Com o tempo os destilados evoluíram e passaram a agradar mais e mais o paladar das pessoas.

 

Então conclui-se que desde a idade média, o alambique era utilizado na Europa, para destilação de bebidas alcoólicas, a partir do mosto fermentado (bagaço ou aguardente bagaceira), do vinho (aguardentes vínicas), de cereais fermentados (uísque, vodca, saqué, a genebra), e por aí vai.

 

 

O Alambique no Brasil

 

Os conhecimentos em relação à destilação foram se propagando e por volta de 1.500, quando Portugal e Espanha empreenderam as expedições em busca de novas terras foi natural que o alambique fossem colocados nos navios, como parte do conjunto de equipamentos e ferramental para a descoberta e fixação de novas colônias.

 

Há relatos inclusive de que eram usados durante as viagens marítimas para destilar a água do mar e obter água para a tripulação beber.

 

Com a descoberta do Novo Mundo e o início da produção de açúcar de cana (tido como ouro branco, dado o seu valor de mercado na época), começaram a ser produzidos destilados com resíduos da produção. Eram grande áreas de plantio de cana.

 

No Brasil foi chamado o destilado de cana foi chamado de aguardente da terra, depois aguardente de cana e depois cachaça. Rum nas colônias britânicas, Tafia nas francesas e aguardiente de caña e rum nas espanholas.

 

Tudo indica que foi desta forma que os alambiques aportaram em terras brasileiras. Ou seja, quando os portugueses começaram produzir a nossa cachaça aqui, eles sabiam muito bem o que estava fazendo. Eles sabiam manejar o alambique e tinham a exata noção do produto que teriam, após a destilação do caldo de cana fermentado…  

 

Com isso a gente descarta qualquer hipótese de que a destilação tenha sido um processo criado, por acaso, em terras brasileiras.

E aquele “causo” tão difundido da água que ardia, quando pingava nas costas machucadas dos escravos, deve ocupar um bom lugar, mas em nosso imaginário folclórico, e só.

 

A criação dos processos produtivos da aguardente de cana não é um feito de nossa gente, mas foi aqui, em nossa “Pátria Amada Brasil”, que sua produção aconteceu de maneira mais intensa e visceral.

Sendo por isso que nós brasileiros elegemos a cachaça como nossa bebida nacional, original do Brasil. Temos por ela um legítimo sentimento de pertencimento.

 

A Cachaça é nossa, faz parte da nossa história, da nossa cultura. Está em nossas raízes.

 

Etc e Tal

 

O resto todo mundo já sabe, mas não custo relembrar…

 

De acordo com os registros oficiais, o primeiro engenho de açúcar a ser montado no Brasil foi na Capitania São Vicente (Santos – São Vicente/SP), em 1532, e tinha Martim Afonso de Souza, como donatário.

 

Tratava-se do Engenho dos Erasmos. Até hoje suas ruinas podem ser visitadas no município de São Vicente e o local está sob a tutela da USP. Provavelmente foi também lá que o primeiro alambique, para destilação de cachaça foi instalado.

 

No entanto há indícios não oficiais de que no Nordeste, já se alambicava em 1526…

 

Temo que após a irreparável perda dos arquivos do Museu Nacional, consumido pelo fogo, no Rio de Janeiro, no dia 2 de setembro/18, jamais possamos verdadeiramente desvendar esta parte da história…

 

Resta-nos a certeza de que temos a posse desta bebida, que tem gosto de Brasil.

 

Mini Glossário

  • A.C. = Antes de Cristo
  • D.C. = Depois de Cristo
  • Sobre a Expansão do Islamismo =  A civilização islâmica floresceu no século VII D.C., na Península Arábica, e expandiu-se, inicialmente, por toda a região do Oriente Médio e, em seguida, em direção ao norte da África, ao sul da Europa (Sec. VIII) e ao centro do Império Bizantino, na Anatólia (atual Turquia).

 

A História da Alquimia

 

  • Alquimia é a palavra que indica uma ciência mística conhecida como química da antiguidade, que tinha como principal objetivo a transmutação de um elemento em outro. 
  • Um dos principais objetivos da alquimia era transformar metais não preciosos em ouro. Assim, foram feitos vários esforços para criar a pedra filosofal, que teria a capacidade de transformar metais em ouro. 
  • Uma prática muito antiga que combinava ciências místicas com várias áreas do conhecimento, como a física, química, medicina, arte, metalurgia, geografia e filosofia.  
  • Vários autores afirmam que a alquimia teve a sua origem no Egito, e foi usada no aperfeiçoamento de técnicas de embalsamamento e em várias experiências com metais. No entanto, outros autores afirmam que a China foi o berço da alquimia, com lendas que falam sobre o seu uso em 4500 a.C.
  • A palavra alquimia tem origem no árabe al-kimiya, que está relacionada com o conceito de química.

 

Elixires =

  • Bebidas que, na Idade Média, se acreditava possuir propriedades mágicas.
  • Preparação líquida com substâncias aromáticas, medicamentosas e terapêuticas, dissolvida em álcool ou vinho.
  • A origem da palavra elixir: vem do árabe al’ikshîr = “pedra filosofal”.
  • Cachaça e aguardente são sinônimos de elixir. Alguém duvida que sejam mesmo?

 

O Alambique =

  • Equipamento usado na destilação de várias bebidas alcoólicas, óleos essenciais. Seu princípio é baseado no processo de destilação simples e foi usado em tempos remotos, pelos alquimistas, Pode ser de cobre, de inox, de vidro.
  • Do árabe الأنبيق, transl. al-anbiq, por sua vez do grego ambix, ambikon.

 

OBSERVAÇÃO:

Esta matéria teve como fonte uma série de artigos e estudos mais aprofundados, de inúmeros autores que estudam o tema. Trouxemos à luz apenas um extrato, que nos permite balizar alguns entendimentos sobre este equipamento vital para a existência da nossa bebida nacional).