Notícias

Senar Minas oferece curso inédito para setor da Cachaça

Por Cachaciê   •  17 maio de 2018   •  Compartilhar

O Senar Minas atento às transformações e fortes indicadores de crescimento e amadurecimento do mercado de cachaça lançou esse mês a oferta de um treinamento inédito para o setor: Análise Sensorial e Classificação de Cachaças.

Às vésperas do “Dia da Cachaça Mineira – 21 de maio”, a conclusão do treinamento da primeira turma desse novo curso chega como um presente para a cachaça produzida em Minas Gerais, para toda a cadeia produtiva e também para os consumidores, que aplaudem e compram, cada vez que uma cachaça de excelência é posta à mesa.

O curso vem atender um pleito da Associação Nacional de Produtores de Cachaça de Qualidade (Anpaq), que tem o objetivo de treinar avaliadores do CAQ, para garantir a concessão do Selo que atesta a qualidade das cachaças de produtores de todo o Brasil.

Confira o que diz sobre o curso o instrutor do Senas Arnaldo Ribeiro:

 

O curso tem carga horária de 32 horas e turmas de no máximo 13 alunos – o que dá aos participantes uma oportunidade ainda maior de aprendizado, troca de experiências e percepções.

O local escolhido para as aulas é inspirador: a Cachaçaria Trilha Real, de Nova Lima – um templo da cachaça, moderno, aconchegante e sofisticado.

SAIBA QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS OBJETIVOS DO CURSO

– Analisar os aspectos econômicos da produção e comercialização da cachaça, no Brasil e no mundo, entendendo o fator qualidade como sendo um diferencial;

– Identificar atribuições para classificadores/degustadores de cachaça, por meio de relatos e imagens, citando as características fundamentais que atendam às exigências do mercado de trabalho;

– Realizar testes sensoriais por meio de amostras de cachaças fornecidas, identificando métodos de classificação, preenchendo formulários de avaliação;

– Classificar cachaças por meio de imagens e amostras, segundo a legislação do M.A.P.A;

– Degustar cachaças por meio de amostras, distinguindo cachaças de coluna de cachaças de alambique;

– Degustar amostras de gostos básicos da cachaça aprendendo a diferenciá-los;

– Avaliar madeiras utilizadas no processo da cachaça, de acordo com suas características sensoriais;

– Enumerar defeitos sensoriais que podem aparecer em uma cachaça, de acordo com falhas no processo produtivo;

– Avaliar cachaças utilizando a ficha n°1 da ANPAQ conforme critérios sensoriais exigidos;

– Analisar rótulos de cachaças, verificando conformidade com as exigências legais;

– Avaliar o grau de aroma das cachaças, utilizando a Roda de Aromas e o Kit de Aromas, mapeando a cachaça no gráfico “tipo radar;

– Analisar modelos de parecer sensoriais de cachaça, formatando e redigindo outros pareceres;

– Avaliar sensorialmente conforme formulários da ANPAQ amostras já aprovadas ou não.

 PRÓXIMAS TURMAS

 

Segundo a analista técnica da Coordenadoria de Formação Profissional Rural Marília Saraiva Pereira, responsável pela  gestão de projetos para a cachaça, após o término desse primeiro curso haverá uma avaliação de praxe do Senar para ajustes finais, se necessário, e na sequência novas datas serão lançadas para treinamentos de mais profissionais já que a demanda é muito grande.